5 razões para não perder.. a Corrida da Eslováquia

No calor da Terra Média, adivinha-se uma nova batalha. Depois de conquistar cinco países, os cavaleiros do WTCR Oscaro preparam-se para uma nota luta: a sexta, mais precisamente. É em território eslovaco que os onze exércitos lutarão entre si. De 13 a 15 de julho, prepare-se para a “Corrida da Eslováquia”.

Mato Homola, herói local  

O exército 308 TCR tem 350 cavalos prontos para esmagar seus oponentes. Neste fim de semana, o eslovaco terá de defender o seu território dos 25 invasores sedentos de vitória. Depois de cair em nas primeiras quatro corridas, Mato Homola finalmente mostrou que pode ser um guerreiro formidável. Há três semanas, em Portugal, tornou-se um verdadeiro líder, somando 38 pontos e vencendo sua primeira batalha. Diante do seu público, estará ansioso por brilhar com mais uma performance irrepreensível. Objetivo? Dominar o anel. Um anel único, para a todos governar: o Slovakia Ring.

A Batalha dos 160

Um jovem arqueiro de um lado, um grande sábio do outro. Apesar dos 34 anos de diferença de idades, o elfo Ehrlacher (22) e Lorde Tarquini (56), estão taco a taco no campeonato, numa luta que, surpreendentemente, é mais que justa. Com 160 pontos cada, os dois seguem os passos de Yvan Muller. Na terra do Slovakia Ring, um reino de 5922 km de comprimento (o que o torna o terceiro maior, atrás da Alemanha e de Macau), os dois campeões estarão em primeiro plano. Quem irá ultrapassar primeiro?

Yvan Muller Racing, os Mestres do Jogo

Em cada confronto, são eles que ditam as regras. O sueco, Thed Bjork, o branco, e o seu ajudante, o grande lorde e mago cinza, Yvan Muller. Na liderança e com a sua máquina de guerra, o Hyundai N i30 TCR, eles dominam os seus oponentes. Mais poderosos, mais inteligentes, mais rápidos, os dois homens classificaram-se doze vezes entre os três primeiros lutadores nas primeiras quinze batalhas, acumulando entre eles 330 pontos desde o início da era 2018 (182 para Muller, 148 para Björk). Depois de duas corridas ganhas por cada, conquistarão um terceiro território?

Numa terra distante…

Depois de muitos meses longe da sua casa e cinco confrontos depois, Esteban Guerrieri deveria encontrar a sua família. Infelizmente para o piloto argentino, a batalha continua a 12 mil quilómetros de casa. O motivo? Problemas económicos … No entanto, este regresso às origens, teria feito o maior bem desde o ano passado, quando terminou em terceiro e quarto lugares nas duas corridas em Termas de Rio Hondo. Em vez disso, terá de fazer tudo para impedir que Sir Mato Homola imponha o seu poder numa luta que deveria ter sido dele. Oitavo homem a bordo do WTCR Oscaro, Guerrieri, o topógrafo argentino, está atualmente a 10 metros do grande senhor cinzento Muller.

Desaparecidos em combate

Inicialmente, eles eram 26…hoje são 24. O guerreiro James Thompson pode não partir para a luta se o seu cavalo Honda, não estiver em condições. Já, Gianni Morbidelli, ex-especialista das maiores máquinas de guerra nos anos 90, foi substituído por um jovem soldado italiano, conhecido como Kevin Ceccon. O novo protetor do Templo Mulsanne vai tentar fazer melhor do que o seu antecessor, que não marcou pontos na batalha. Graças a isso, o jovem italiano poderá aproveitar a corrida de camiões que acompanhará o WTCR Oscaro neste fim de semana na Eslováquia.

Descubra todas as informações WTCR Oscaro

Veja Também