Realidade virtual, uma luta justa ?

Em outubro passado, a federação alemã de automobilismo reconheceu o Sim racing como uma modalidade no desporto motorizado. Face a isso, fica a questão: e se a pilotagem virtual for equivalente à pilotagem “em carne e osso”?

“Nós não somos jogadores, somos pilotos”. É com estas palavras que a Team Oscaro eSports se define. Com a oficialização do Sim Racing como um desporto motorizado do outro lado do Reno, este slogan nunca foi tão verdadeiro. Para Philippe Leaune, criador da equipa, isso é apenas uma parte. Na Paris Games Week 2018, explicou-nos o conceito, através de uma comparação: “Um jogador de FIFA, se colocá-lo em campo, ele não vai saber jogar, a menos que seja verdadeiramente um jogador de futebol. Quanto a um Sim Racer, se colocá-lo num circuito e explicar como o carro funciona, ele pode sair-se tão bem quanto um piloto de verdade.

O seu filho, Kevin Leaune, é o melhor exemplo. No ano passado, participou na Race of Champions ao lado de pilotos de renome como Juan Pablo Montoya, David Coulthard e Petter Solberg. O multicampeão mundial de 29 anos, pela Project Cars, chegou a ser piloto na NextGen Academy da francesa Venturi. Hoje, cada vez mais fabricantes de automóveis apostam nos eSports. Todos querem a sua equipa,“à imagem da McLaren”, recorda Philippe.

A mesma coisa…

Para Kevin Leaune, “O Sim racing e o desporto automóvel são dois desportos idênticos”. Por dois motivos e o primeiro é o nível sensacional: “O que eu gosto é de pilotar. Sou completamente apaixonado por emoções e pela condução. E encontro esses dois fatores na vida real e na virtual “, disse. O segundo motivo é o nível da preparação. No que diz respeito à preparação mental ou ao nível das configurações.

"Trabalhamos muito na concentração. Primeiro pelos resultados: as corridas podem durar mais de uma hora e por isso, é necessário permanecer concentrado para não cometer erros. Depois, estamos acostumados a pilotar na nossa sala de estar, ou pelo menos num lugar que faça parte do nosso quotidiano. Mas, quando se chega a uma arena, por exemplo, para jogar uma final, aí é preciso aprender a controlar as emoções", explicou Leaune.

Gaetan Goarant também esteve presente na Paris Games Week, atualmente em décimo quarto lugar no ranking WTCR Oscaro eSports, sublinhou a importância de uma boa preparação, entre duas sessões de treinos: “É preciso estudar o circuito, estudar o carro e assim por diante. É preciso estar pronto para se apresentar em dias de competição.” Para isso, a Team Oscaro eSports é organizada de maneira muito precisa: “Cada um tem o seu papel. Temos campeões, pilotos de teste e configuradores; e outros que fazem as três funções. Uma coisa é certa, gastamos muito tempo na afinação do carro “, comentou Philippe Leaune.

… algumas exceções

Se os dois desportos são bastante semelhantes em alguns pontos, noutros, não é o caso. Especialmente a nível físico. “É esse aspeto que nos separa dos verdadeiros pilotos de corrida”, diz o fundador da Team Oscaro eSports, Gaetan Goarant. “Mesmo em termos de condução, acho que temos tanto talento quanto os verdadeiros pilotos, conduzimos a partir de casa … É difícil comparar”. Kevin Leaune concorda o suficiente sobre este ponto, no entanto, frisa sobre o facto do Sim Racing ser a disciplina eSport onde o fator físico tem a maior importância, por causa do “uso das mesmas partes do corpo de ‘um piloto quando está ao volante’.

Outro ponto de divergência: o sentimento. Em maio, Tom Coronel, piloto Honda WTCR, falava no lançamento do jogo WTCR Oscaro Esports em Nürburgring: “Na vida real há três dimensões e na virtual, apenas dois. Nós não sentimos o movimento do carro e, portanto, temos mais dificuldade em encontrar o limite. Para compensar essa falta de sensações corporais, a audição e a visão são muito mais solicitadas”.

Como um piscar de olho, sobre os 25 adversários do holandês no WTCR Oscaro, dois são oriundos do universo Sim Racing: Norbert Michelisz e David Zsolt Szabo. O que dá grandes perspectivas para todos os apaixonados pelo automobilismo e pelos videojogos …

A reportagem Team Oscaro eSports na Paris Games week 2018 :